The Book Zine Radio

Tecnologia do Blogger.

Coffee T-Shirts camisetas personalizadas

Coffee T-Shirts camisetas personalizadas
Na compra de sua camiseta, mencione o The Book e ganhe uma cópia impressa do zine

Postagens populares

Twitter Updates

Blogger news

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Review: Rhevan - One More Last Attempt

When a band really wants to find its own identity, it manages to do so. Even working with a genre commonly accused of being derivative, repetitive and short of new ideas. This is the case with Rhevan, which with a dedicated and honest work manages to imprint its own characteristics to their gothic/symphonic metal, easily escaping from the snare of sounding too similar to the bands of the Dutch school of the genre (After Forever, Epica and the like). Conversely, what we find here, allied to the typical orchestrations, are riffs inspired in the classic NWOBHM, resulting in pleasant tracks as Dark Sunrise, Drunk With the Blood of Saints, Lady of the Forest and the title-track. Overall, this is a great album, showing a band that is not afraid to work hard and go beyond labels barriers.

Resenha: Rhevan - One More Last Attempt

Quando uma banda quer ter sua identidade própria ela consegue fazê-lo. Mesmo ao trabalhar com um dos estilos mais frequentemente acusados de derivativo, repetitivo e sem novidades. É o caso do Rhevan, que com um trabalho honesto e dedicado consegue imprimir características próprias ao seu gothic/symphonic metal, escapando com folga da armadilha de soar demasiadamente semelhante às bandas da escola holandesa do estilo (After Forever, Epica e congêneres). Em vez disso, o que vemos aqui, aliados às típicas orquestrações são riffs muito inspirados na velha escola da NWOBHM, o que rende faixas agradáveis, como Dark Sunrise, Drunk With the Blood of Saints, Lady of the Forest e a faixa-título. No geral, é um ótimo álbum, mostrando uma banda que não tem medo de se esforçar e de ir além de barreiras de rótulos.

Review: Les Memoires Fall/Lúgubres - Split


Nothing better than getting started with the new year with some doom metal, right? And this is what we are doing in this first Monday of the post-apocalyptic world of 2013, introducing the debut work by these two bands from the state of São Paulo. The album is somewhat short (32 minutes), and it is started with Lúgubres, which treats us with a welcome surprise. Historically, epic doom is a style not much developed here in Brazil, and the band showcases right from the start to have all the potential to become a reference in this sub-genre in Brazilian lands. People into Solitude Aeturnus, Memento Mori, Doomsword and While Heaven Wept will feel at home with this material. Next we are introduced to Les Memoires Fall, from São José dos Campos, with their sound with a more gothic leaning, with a nice keyboard work and the shifting between raspy vocals and clean female vocals. I can't pinpoint exactly why, but they reminded me something of the old Eternal Sorrow. Finally, two bands that deserve attention, releasing a work that not only keeps alive the flame of good old doom metal, but also make clear that the style much more varied than its detractors use to claim!

Contact (Lúgubres):

Contact (Les Memoires Fall):

Resenha: Les Memoires Fall/Lúgubres - Split

Nada como dar partida no ano com um pouco de doom metal, não? E é o que fazemos nesta primeira segunda-feira do mundo pós-apocalíptico de 2013, apresentando o trabalho de estreia destas duas bandas do estado de São Paulo. O álbum é relativamente curto (32 minutos), e começa com a Lúgubres, que nos apresenta uma grata surpresa. Historicamente, o doom épico não é um estilo muito desenvolvido aqui no Brasil, e a banda mostra, logo de partida, ter todo o potencial para se tornar uma referência desse sub-gênero nestas terras. Fãs de Solitude Aeturnus, Memento Mori e Doomsword se sentirão em casa com esse material. Em seguida somos apresentados ao Les Memoires Fall, de São José dos Campos, que apresenta um som numa vertente mais gótica, com um bom trabalho de teclados e a alternância de vocais rasgados e vocais femininos limpos. Não sei exatamente porquê, mas me lembrou algo do velho Eternal Sorrow. Enfim, duas bandas que merecem a atenção e lançando um trabalho que não só mantém viva a chama do bom e velho doom metal, como também deixa bem claro que o estilo é mais variado do que seus detratores costumam afirmar!

Contato (Lúgubres):

Contato (Les Memoires Fall)