The Book Zine Radio

Tecnologia do Blogger.

Coffee T-Shirts camisetas personalizadas

Coffee T-Shirts camisetas personalizadas
Na compra de sua camiseta, mencione o The Book e ganhe uma cópia impressa do zine

Postagens populares

Twitter Updates

Blogger news

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Resenha de show: Genocídio, Death Tribute e Slaytanic - Blackmore Rock Bar, 11/12/11

Genocído e Roger Lombardi
Dezembro. Fim de ano, com toda a correria associada. Nessa época temos que ficar muito atentos para não perdermos shows bem interessantes, como foi o desta noite no Blackmore. Iniciamos com o Genocídio, a única banda de som próprio da noite, que mandou ver muito bem, embora não tenha tirado tanto proveito de sua longa carreira, uma vez que preferiu concentrar o set em material dos álbuns Posthumous e Hoctaedrom, além do recente The Clan. Isso não é exatamente um problema, mas a banda acaba não colocando em prática material muito interessante de outras fases (como Pyromaniacs do Depression ou Dominion do Rebellion, por exemplo). De qualquer maneira, não faltaram os clássicos dessa fase da banda, como Numbness Sunshine, Pilgrim, Up Roar e Cloister, além da participação do vocalista Roger Lombardi, do Goatlove, em Settimia e no cover para Black Planet, do Sisters of Mercy. O set foi encerrado com Angel of Death, do Slayer, e partimos para a outra banda.
Death Tribute, a uma distância segura
Confesso que estava relutante em ficar para ver basicamente uma banda cover. Não sou nenhum fã de bandas cover, na verdade costumo preferir ficar em casa para sair e ver uma delas, mas o Death Tribute acabou me surpreendendo de forma bem positiva. Realmente percebe-se que a intenção é menos ser uma banda tapa-buraco e mais uma homenagem a um dos nomes mais influentes na formação do metal extremo. E a banda realmente é extremamente cuidadosa na execução das músicas, com um batera devidamente insano e uma equipe de cordas absurdamente técnica, afinal, NUNCA vai ser fácil tocar qualquer música que envolva Steve diGiorgio em seu original, o que dirá então CANTAR enquanto se faz isso? A reação da platéia também foi à altura do esforço da banda em seu som, a julgar pelo mosh apocalíptico que rodava solto ao som de clássicos como Overactive Imagination e Zombie Ritual.
Por fim, tivemos, supostamente, o Slaytanic, um cover do Slayer (que por sinal possui o mesmo baterista do Death Tribute). Por quê supostamente? Porque confesso que eu estava derrubado dormindo na mesa em vez de prestando atenção ao show! Me processem! Hehehehe!

1 comentários:

Vilyn disse...

Hahahahahaha capotei mais que você, meu cafeinado hahahahahahaha ^^ mas amei o show, foi da hora, e tbm achei q eles poderiam ter tocado alguma do Rebellion hahahahahahaha ok vício.