The Book Zine Radio

Tecnologia do Blogger.

Coffee T-Shirts camisetas personalizadas

Coffee T-Shirts camisetas personalizadas
Na compra de sua camiseta, mencione o The Book e ganhe uma cópia impressa do zine

Postagens populares

Twitter Updates

Blogger news

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Review: Hatend - Unloading the Hate

Greetings, folks! After some silence, here we are again with another fruit from the file Brazilian grounds, more specifically, the Northeastern scene. This is Unloading the Hate, a work by the band Hatend, from Paulo Afonso, in Bahia. Here we have a gathering of the more diverse influences within the metallic paradigm. This is something notedly made by people who enjoy metal in itself, above and beyond secondary labels usually attached to it, which cause so much dissension in the underground scene. Thus, we have here a prevalence of death/thrash metal, but with melodic guitar interventions here and there, in a somewhat unexpected manner. Indeed, the song "Fire" unexpectedly manages to bring to mind Hammerheart-era Bathory, but this is just a temporary sensation.
In the end, this is not exactly a revolutionary play, but it is very interesting in its uncompromised manner to unite sub-genres under the great banner of  metal without sounding contradictory or ham-fisted. It is worthy each one's attention.

Resenha: Hatend - Unloading the Hate

Saudações, pessoal! Depois de um certo silêncio, cá estamos novamente com mais uma obra do fértil cenário brasileiro, para ser mais específico, o cenário nordestino. Trata-se de Unloading the Hate, da banda Hatend, de Paulo Afonso, na Bahia. Temos aqui um belo apanhado de influências das mais diversas dentro do paradigma metálico. Algo perceptivelmente feito por pessoas que apreciam o metal, propriamente, acima dos rótulos secundários normalmente acoplados a ele e que tanto causam divisão no underground. Assim, temos aqui uma predominância do death/thrash metal, porém com intervenções melódicas das guitarras aqui e ali, de maneira um tanto inusitada. De fato, inesperadamente, a música "Fire" chega a lembrar um pouco o Bathory em Hammerheart, embora apenas temporariamente.
Enfim, não é um álbum exatamente revolucionário, mas é interessante, e muito, em sua forma descompromissada de unir sub-gêneros sob a grande bandeira do metal sem soar contraditório ou forçado. Vale a atenção de cada um.