The Book Zine Radio

Tecnologia do Blogger.

Coffee T-Shirts camisetas personalizadas

Coffee T-Shirts camisetas personalizadas
Na compra de sua camiseta, mencione o The Book e ganhe uma cópia impressa do zine

Postagens populares

Twitter Updates

Blogger news

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Review: Endimion - Canción desde las voz primera

And here we are with a high quality material rising out of the Chilean doom scene. Endimion is already a quite experient band, and this album proves to have arrived in the right moment. The teamwork among instruments is evident, even with a rhythm session more aggressive than what I used to see in other Chilean bands, as Poema Arcanvs and Mar de Grises, and this gives the band a quite interesting personality. The more aggressive sections, as those in Lady of my dreams or Naked in the sun, are effortlessly mixed with guitar arrangements as those in We are the sky, that has an atmosphere kind of similar to that in Rotting Christ's more gothic days, and once again, not losing the bass and drum's aggressive aspects. An interesting effect, indeed! Moreover, there is the fact that the songs are not exaggerately long (at least for doom metal standards), resulting in an album that manages to be simultaneously straight to the point and well worked. A sure shot for doom metal fans and a good entry for people more used to styles such as death and black that are not too familiar with doom.

Resenha: Endimion - Canción desde la voz primera

E aqui estamos com um material de alta qualidade despontando da cena doom chilena. O Endimion já é uma banda com uma boa experiência e este álbum prova ter chegado no momento certo. O entrosamento entre os instrumentos é evidente, inclusive com uma seção rítmica mais agressiva do que estou acostumado a ver em outras bandas chilenas, como Poema Arcanvs e Mar de Grises, e isso dá uma personalidade bem interessante à banda. Seções mais agressivas, como as de Lady of my dreams ou Naked in the sun, misturam-se naturalmente a arranjos de guitarra como os de We are the sky, que apresenta um clima meio semelhante à fase mais gótica do Rotting Christ, novamente, sem perder a identidade agressiva do baixo e da bateria. Um efeito de fato interessante! Some-se a isso o fato das músicas não serem exageradamente longas (para os padrões do doom metal, pelo menos) e temos em mãos um álbum que consegue ser direto e bem-trabalhado ao mesmo tempo. Uma pedida certa para fãs de doom e uma boa porta de entrada para o pessoal mais acostumado a estilos como death e black que não esteja muito familiarizado com o doom.

Interview: Obskure (Brazil)

Hey, guys! Here we are again, for a great start in this new stage of The Book Zine with a traditional and solid band in the Brazilian northeastern scene, about to release their new album. For you, Obskure, from Ceará!

First of all, the basics: When Obskure was formed and what is its current line-up?
Amaudson Ximenes – The band was conceived in May 1989, in the neighborhood of Parque Araxá, a traditional rock music hub in the city of Fortaleza. Currently, the band is made up by: Amaudson Ximenes (guitar), Daniel Boyadjian (solo guitar), Jolson Ximenes (bass), Wilker D’ângelo (drums), Fábio Barros (keys) and Germano Monteiro (vocal). The first four members are in the band since its first CD, “Overcasting”. Fábio joined us in 2003, and Germano in 2006. With this line-up, we recorded our new album, “Dense Shades of Mankind”, that as now is in the factory for printing.

Which influences are present in the band's sound?

Amaudson Ximenes – Death metal, heavy metal, grind core, marginal literature, daily life, etc.
There is a pretty noticeable style evolution since Overcasting to the more recent songs that are in the band's Myspace. Can we expect this more aggressive characteristic for the next album?

Amaudson Ximenes – The new album is much more extreme than “Overcasting”. It has some technical, intense, extreme songs, that range from atmospheric death to grind core. There are brand new songs and a rerecording of our first Demo-tape “Uterus and Grave”, from 1990. The new album had its release delayed several times due to unstability in the line-up. With our line-up stable since 2006, we finally managed to finish songs, records them and give shape to them.
Keeping with the album issue, are there plans or forecast for relaunching Overcasting?

Amaudson Ximenes – Not at the moment, we are concerned with the promotion of our new work, “Dense Shades of Mankind”. We intend to promote it to the maximum, playing in the more different venues in Brazil and abroad.
Overcasting, the band's first full-lenght.
Regardless the band's time of existence, you have not played too much here (São Paulo) to the moment. Are there plans or possibilities to pass here to promote the new album?

Amaudson Ximenes – As we said before, if we have the opportunity, we'll be playing again in the city of São Paulo. The last time we have been around was in 2008, for the Metal Battle's selective. The gig was in July 2008, at Manifesto Bar.

The Brazilian Northern region always had a very healthy and fertile scene, though much of what is doe there do not reach the rest of the country. What, in your opinion, is missing to have a better promotion of local scenes throughout the country?

Amaudson Ximenes – I believe you meant to say the Northeastern region. Actually, the disclosure of Northeastern groups have even improved with the advent of social networks and the internet. What is missing, in my opinion, are more events in both regions in which the groups may interact more. I know that Brazil is a country of continental proportions, and it makes many of these project unfeasable due to distance, precarious access and high costs for displacement, both by land or air. However, I believe that someday we'll be able to overcome these hardships.
Is there a good mobilization among the local underground bands? Or things end up being each based on their own forces?

Amaudson Ximenes – In Ceará's case, there are several collective experiences that contributed a lot for the underground scene's growth. Here in our city there is the Ceará Cultural Rock Society (ACR, in Portuguese), of which we are one of the founding groups, and which has been achieving to open several doors, specially with public authorities. Ther is ForCaos, a traditional festival responsible for the exchange of groups of several regions in the country (www.youtube.com/forcaostv). The event exists for 14 years, and several bands have played there: Taurus, Krisiun, Stress, Vulcano, Decomposed God, Headhunter D.C, Violator, Funeratus, among several others in the genre.

Festivals such as BNB do Rock Cordel, promoted by Banco do Nordeste network of Culture Centers, is also another successful experience. There are more than 150 groups per edition, the festival is free, always in the month of January. Several rock genres are covered, from the alternative to heavy metal and extreme metal.

And how about interaction different scenes? It occurs smoothly, or are there is attrition between metal and hardcore, for example?

Amaudson Ximenes – In the state of Ceará, this kind of attrition, of difference, is not a hindrance between the groups. Among the audience, in some moments there is some discomfort when the styles are too much mixed up, but among the bands it is unusual, at least with people related to ACR, that is where I give more of my attention. People usually respect each other, get along together, drink together, etc. There is calm environment. Respect is essential in these moments, as we have a greater enemy, that is the prejudice of the so called common sense, the large-sized media and conservatives. If we fight and struggle among ourselves, nothing will remain and we will play by the system's rules.

An issue that cannot be set aside: what is your opinion regarding christianism and christian metal? Do you believe it is possible for a band to be sincere regarding both metal and its religious beliefs?

Amaudson Ximenes – We know that there is a lot of opportunism by churches that use this mechanism to draw their "clients". A gargantuan structure of churches and lots of money injected. Music, particularly metal and its variations, is an efficient manner to seize musicians and the audience. I do not aggree with this practice, however, this is not something that can be fought against with physical strenght, with intimidation, as I see happening usually. This kind of pracitce is fought with intelligence, with a well-based criticism. I know some musicians that claim to feel happy in playing and taking their christian messages for the faithful. Just like there is the option of satanists for worshipping satan, christians chose to worship God.  In the end, it is fanaticism, its religion just the same. The music, the metal, is made a vehicle for worship, for earning the faithful, for the formation of small groups, of fanaticism, actual conservative mills.
Thanks for your colaboration and for your answers, Amaudson. Be at ease to give your message to the readers.

Amaudson Ximenes – Thanks for the space, we expect to soon be rewarding everybody with the new album “Dense Shades of Mankind”, that regardless the more than three years delay, should be out still this year.

Best regards for you, Heder, and all the readers.

Contatos:

Entrevista: Obskure (Brasil)

Salve, pessoal! Aqui estamos, começando com o pé direito essa nova fase do The Book Zine com uma banda tradicional e sólida no cenário nordestino, prestes a lançar seu novo álbum. Com vocês, Obskure, do Ceará!

Em primeiro lugar, o básico do básico: Quando o Obskure foi formado e qual sua formação atual?
Amaudson Ximenes – O grupo foi concebido em maio de 1989, no bairro do Parque Araxá, tradicional reduto roqueiro na cidade de Fortaleza. Atualmente, o grupo é formado: Amaudson Ximenes (guitarra), Daniel Boyadjian (guitarra solo), Jolson Ximenes (baixo), Wilker D’ângelo (bateria), Fábio Barros (teclado) e Germano Monteiro (vocal). Os quatro primeiros integrantes estão na banda desde o primeiro CD “Overcasting”. Fábio entrou para o grupo em 2003, e Germano em 2006. Com essa formação gravamos o novo álbum “Dense Shades of Mankind”, que neste momento encontra-se na fábrica para prensagem.

Quais são as influências presentes no som da banda?
Amaudson Ximenes – Death metal, heavy metal, grind core, literatura marginal, cotidiano etc.
 
Houve uma evolução de estilo bem perceptível desde o Overcasting até as músicas mais recentes que estão no Myspace da banda. Podemos esperar essa faceta mais agressiva para o próximo álbum?
Amaudson Ximenes – O novo álbum é bem mais extremo do que o “Overcasting”. Tem músicas bastante trabalhadas, intensas, extremas que vão do death atmosférico passando pelo grind core. Existem composições inéditas e uma gravação da primeira Demo-tape “Uterus and Grave”, gravado em 1990. O novo álbum teve seu lançamento adiado diversas vezes por conta da instabilidade da formação. Com a formação estabilizada desde 2006, finalmente conseguimos terminar as composições, gravá-las e materializá-las.
 
Tocando na questão do álbum, há planos ou previsão para um relançamento do Overcasting?
Amaudson Ximenes – No momento não, a nossa preocupação é com a divulgação do novo trabalho “Dense Shades of Mankind”. Divulgá-lo o máximo, tocando nos mais diferentes locais do Brasil e do exterior.
 
Overcasting, primeiro álbum full da banda.
Apesar do tempo de carreira da banda, vocês tocaram pouco por aqui até o momento. Há planos ou possibilidades para passar por aqui para promover o novo álbum?
Amaudson Ximenes – Como havia dito anteriormente, se tivermos oportunidade estaremos novamente nos apresentando na cidade de São Paulo. A última vez que tivemos por ai foi em 2008, ocasião da seletiva do Metal Battle. A apresentação ocorreu em julho de 2008 no Manifesto Bar.

A região Norte sempre teve uma cena bem saudável e fértil, embora muito do que seja feito por aí não chegue ao resto do país. O que, em sua opinião falta para que haja uma melhor divulgação das cenas locais ao longo do país?
Amaudson Ximenes – Acredito que foi região Nordeste que quis dizer. Na verdade, a divulgação dos grupos do Nordeste tem até melhorado com o advento das redes sociais e da internet. O que falta na minha opinião são mais eventos  nas duas regiões em que os grupos possam interagir mais. Sei que o Brasil é um país de dimensões continentais e acaba por inviabilizar muitos desses projetos por conta das distâncias, da precariedade dos acessos e do alto custo de deslocamento, seja de forma terrestre ou aérea. Entretanto, acredito que um dia possamos vencer essas dificuldades.
 
Existe uma boa mobilização entre as bandas underground locais? Ou as coisas acabam sendo mesmo na base do "cada um por si"?
Amaudson Ximenes – No caso do Ceará, existem muitas experiências coletivas que acabam contribuindo bastante para o crescimento da cena underground. Aqui em nossa cidade existe a Associação Cultural Cearense do Rock (ACR), a qual somos um dos grupos fundadores que tem conseguido abrir diversas portas junto ao poder público, principalmente. Existe o ForCaos, festival tradicional responsável pelo intercâmbio de grupos de diversas regiões do país (www.youtube.com/forcaostv). O evento existe há 14 anos. E diversos grupos já passaram pelo evento: Taurus, Krisiun, Stress, Vulcano, Decomposed God, Headhunter D.C, Violator, Funeratus entre muitos outros do gênero.
Festivais como BNB do Rock Cordel, promovido pela rede de Centro Culturais do Banco do Nordeste, também é outra experiência bem sucedida. São mais de 150 grupos por edição, o festival acontece de forma gratuita, sempre no mês de janeiro. Diversos gêneros do rock são contemplados indo desde o alternativo, passando pelo heavy metal ao metal extremo.

E quanto à interação entre diferentes cenas? Ocorre tranquilamente, ou existem atritos entre metal e hardcore, por exemplo?
Amaudson Ximenes – No estado do Ceará, esse tipo de atrito, de diferença não é empecilho entre os grupos, entre o público existe em alguns momentos acontece estranhamento quando se mistura demais os estilos, mas entre os grupos normalmente não acontecesse, pelo menos no pessoal ligado a ACR, que é onde dou mais atenção. O pessoal se respeita bastante, sai para conversar, beber junto etc. O ambiente é tranquilo. O respeito é fundamental nesses momentos, uma vez que temos um inimigo maior que é o preconceito do chamado senso comum, da grande mídia e do conservadorismo. Se ficarmos nos matando e digladiando não vai sobrar nada e só vamos fazer o jogo do sistema.

Uma questão que não pode ser deixada de lado: qual é a sua opinião a respeito do cristianismo e do metal cristão? Você considera possível uma banda manter sinceridade com relação ao metal e com relação às suas crenças religiosas simultaneamente?
Amaudson Ximenes – A gente sabe que existe muito oportunismo por parte das igrejas que se utilizam desse mecanismo para atrair a sua “clientela”. Uma estrutura monstruosa de igrejas e muito dinheiro injetado. A música, em particular o metal e suas variações, é uma forma eficiente de fazer a cooptação de músicos e do público. Não concordo com essa prática, entretanto, não dá pra combater utilizando-se da força física, da intimidação, como vejo acontecer normalmente. Esse tipo de prática se combate com inteligência, com uma crítica bem fundamentada. Conheço alguns músicos que dizem se sentir felizes tocando e levando as mensagens cristãs para o seus fiéis. Assim como existe a opção dos satanistas por louvarem o satanás, existem os cristãos em louvar a deus.  Acaba sendo fanatismo, acaba sendo religião do mesmo jeito. Acaba sendo a música, o metal, um veículo de louvação, de arrebanhamento de fiéis, da formação de pequenos grupos, de fanatismo, verdadeiras fábricas de conservadorismo.
 
Obrigado pela colaboração e pelas respostas, Amaudson. Fique à vontade para dar sua mensagem para os leitores.
Amaudson Ximenes – Obrigado pelo espaço, esperamos em breve está presenteando a todos com o novo CD “Dense Shades of Mankind”, que apesar do atraso de mais de três anos, deve sair ainda este ano.
Um forte abraço a você Heder e a todos os leitores.

Contatos: